Skip to content
Aviso: por motivos técnicos e de segurança, este site teve de ser reconstruído de raiz. Algumas das suas funcionalidades e páginas anteriores perderam-se e é possível que algumas ligações tenham sido quebradas.

Recenseamento agrícola, INE, 2009

21/11/2011

Recenseamento agrícola de 2009, feito pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Ver citações dos respectivos resumos mais abaixo.

[Este documento necessitaria de análise comparada e comentada, de preferência feita por um colaborador ligado à questão da soberania alimentar.]

Algumas observações imediatas:

Feitas estas notas de precaução, aqui vai a citação do resumo do documento:

Resumo

O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola 2009 (RA 09), comparando-os com a informação do Recenseamento Agrícola de 1999 (RGA 99). Trata-se da 2ª maior operação censitária realizada em Portugal, que envolveu uma equipa de 2100 colaboradores e um custo estimado de 16,9 milhões de euros.
As explorações agrícolas ainda ocupam metade da área geográfica do país. Contudo, nos últimos dez anos desapareceram 112 mil explorações e a respectiva superfície recuou mais de 450 mil hectares. A dimensão média das explorações agrícolas aumentou 2,5 hectares em termos de Superfície Agrícola Utilizada (SAU), situando-se em 11,9 hectares. Todavia, cerca de 75% das unidades produtivas ainda exploram menos de 5 hectares de SAU.
A paisagem agrícola alterou-se significativamente, reorientando-se para sistemas de produção extensivos: diminuíram as terras aráveis, aumentaram as pastagens permanentes, que já ocupam metade da SAU e reduziu-se o número de efectivos pecuários.
O retrato do agricultor típico reforça a importância social desta actividade, em que 80% do volume de trabalho agrícola é realizado pela mão-de-obra agrícola familiar. No entanto as empresas agrícolas, que representam apenas 2% do universo das explorações, são já responsáveis pela gestão de 25% da SAU.

Resumo 2
Caracterização do Produtor: o produtor agrícola tipo é homem, tem 63 anos, apenas completou o 1º ciclo do ensino básico, tem formação agrícola exclusivamente prática e trabalha nas actividades agrícolas da exploração cerca de 22 horas por semana. O seu agregado familiar é constituído por 3 indivíduos e o rendimento provém maioritariamente de pensões e reformas. […]

Nas empresas agrícolas constata-se que:

  • A dimensão média é de 142 hectares de SAU, 12 vezes superior à média nacional;
  • A idade média do dirigente da exploração é de 50 anos, 12 anos mais novo do que a média nacional;
  • Cerca de 40% dos seus dirigentes têm formação superior e destes, metade possuem habilitações específicas nas ciências agrárias;
  • Empregam cerca de 30 mil trabalhadores, ou seja, 2/3 da mão-de-obra agrícola assalariada comocupação regular;
  • Apenas utilizam 3,5 UTA por 100 hectares de SAU, enquanto que a média nacional se situa em 10 UTA por 100 hectares de SAU;
  • A utilização dos tractores é mais eficiente, dado que, para explorar 100 hectares de SAU apenas é necessário 1 tractor, enquanto que em média são necessários 5 tractores.
 

Fontes e referências

Editado por Rui Viana Pereira.

INE.

Guardado no arquivo CADPP: Recenseamento Agrícola 2009 (pdf, 300KB).

 
temas: agricultura
visitas (todas as línguas): 2.337
 

Este sítio usa cookies para funcionar melhor