Skip to content
Aviso: por motivos técnicos e de segurança, este site teve de ser reconstruído de raiz. Algumas das suas funcionalidades e páginas anteriores perderam-se e é possível que algumas ligações tenham sido quebradas.

Na Grécia começou a corrida contra-relógio

Roxanne Mitralias, 06/07/2012

Tomada de posição de Roxanne Mitralias, membro do CADTM, membro da iniciativa grega de Paris, no dia 23 de Junho em reunião do colectivo francês para a auditoria cidadã à dívida pública.

Na Grécia fizemos muitas manifestações, fizemos imensas greves – mesmo aqueles que não costumavam fazê-las –, reunimo-nos nas praças entre jovens, reformados, desempregados, pequenos comerciantes – mas deixámo-nos gazear com milhares de bombas lacrimogénias e fomos batidos a golpes de matraca - , tentámos auto-organizarmo-nos para podermos comer, para nos curarmos, para nos deslocarmos, negociando directamente com os camponeses, fazendo todo o tipo de trocas e até criando novas moedas. E enfim fomos votar. Ou melhor, tentámos votar. Por duas vezes.

Mas na Grécia também tivemos medo, também desesperámos e enraivecemos, muitas vezes sem o compreender. Por que seremos nós o laboratório da Europa neoliberal?

A Troika, a igreja, os armadores, os políticos corruptos e seus amigos mafiosos de grande escala utilizaram todos os meios para nos fazer medo. Criaram bodes expiatórios transformando os estrangeiros em inimigos, estigmatizaram as prostitutas fazendo crer que elas seriam responsáveis pelo aumento de casos de sida. Utilizaram a intimidação – como no caso do banco que aconselhou os seus empregados a não votar contra as políticas de austeridade pois perderiam o emprego -, mentiram ao inverter as sondagens para pôr em primeiro lugar a direita, fizeram chantagem dentro e fora do país martelando a ameaça: “ou aceitas passar fome ou sais do euro”. E conseguiram, por enquanto, ganhando as eleições de 17 de Junho passado. 2,5% separam a Nova Democracia, a direita, de Syriza, a coligação de esquerda radical.

Agora é a corrida contra-relógio entre os pro-memorando e os anti-memorando. A população está a beira do abismo: estamos diante de uma crise sanitária, alimentar, económica e social, mas também ecológica: já não há medicamentos, os cuidados de saúde públicos cada vez mais caros, 900 euros para um parto, 4000 por uma cirurgia. Filas de espera intermináveis para alguns legumes, invasões de supermercados, salários por pagar para centenas de milhares de gregos, os impostos e os preços sempre a aumentar. O desemprego ou a emigração para os jovens. E também os imigrantes e os militantes de esquerda que sofrem ataques violentos e incessantes das milícias neonazis da Aurora Dourada, filhas aterrorizadoras dos memorandos e desta sociedade em colapso.

Agora é a corrida contra-relógio. Porque eles vão tentar o mais depressa possível  liquidar o nosso património, os nossos recursos mineiros, as nossas ilhas, a nossas florestas, a energia solar cuja exploração cedem gratuitamente aos seus amigos depois de destruir a regulamentação que os impedia. E porque se preparam ataques anti-sociais sem precedentes.

É por isso que na Grécia é preciso usar de todas as chances à nossa mão: está na altura de associar a oposição de esquerda no parlamento a um movimento social forte. Precisamos de levantar barreiras contra o que se anuncia, pois temos que nos opor à liquidação do nosso país, temos que deixar de pagar esta dívida ilegítima que consome 80% do orçamento, deixar de pagar as despesas extravagantes e inúteis dos governantes corruptos, deixar de aceitar o peso destes memorandos mortíferos. Para construir na Grécia e na Europa novas solidariedades, para iniciar mudanças ecológicas e sociais urgentes, só há uma maneira: coordenarmo-nos a nível europeu, lutar em conjunto contra todas estas injustiças e, em primeiro lugar, contra a dívida.

 

Fontes e referências

Publicação original em 28 de Junho 2012: http://www.cadtm.org...

Tradução: Leonor Areal.

 
temas: Grécia, auditoria cidadã
visitas (todas as línguas): 3.261
 

Este sítio usa cookies para funcionar melhor