Vítor Lima

Economista. Assina geralmente sob o pseudónimo de Grazia Tanta e é um dos economistas de esquerda que mais trabalha para a construção duma imagem rigorosa da realidade portuguesa, baseada em dados objectivos e não em mitos. Por isso mesmo publicamos e referimos alguns dos seus artigos, ainda que ele não esteja de acordo com a proposta de auditoria cidadã como instrumento de mobilização social, e por isso mesmo tenha sido rudemente ostracizado por algumas organizações e tendências políticas. Autor de numerosos estudos sobre economia, finanças e segurança social publicados em http://grazia-tanta.blogspot.pt/.

Participa em diversos movimentos de organização e esclarecimento da população.

Reestruturação da dívida ou trafulhice?

O governo procedeu a uma reestruturação da dívida (juros e prazos) que foi apresentada pelo próprio governo e pela generalidade da comunicação social como uma operação de sucesso. Neste artigo Vítor Lima apresenta um estudo a quente de alguns dos dados dessa «reestruturação», seu significado e algumas das suas consequências. Fica claro, mais uma vez, que as reestruturações saem caras – aliás, como o povo grego já sabe há algum tempo.

O assalto aos fundos da Segurança Social

O último acto oficial do ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar foi uma portaria assinada em parceria com o ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Mota Soares. Este diploma obriga o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) a comprar dívida pública portuguesa até ao limite de 90% da sua capacidade de investimento financeiro. Para cumprir este objectivo, o FEFSS terá de vender os seus activos em carteira – ou seja, abrir mão de um conjunto diversificado de investimentos seguros, onde se incluem acções de empresas e títulos de dívida de outros países da OCDE.

(comunicado de imprensa enviado por Vítor Lima e Rui Viana Pereira, em resposta ao silêncio generalizado da comunicação social perante mais este ataque demolidor à Segurança Social)