O Orçamento de Estado de 2013, para além de não ser nosso, é injusto e socialmente irresponsável. Mas existem alternativas que podem ser implementadas para reformar profundamente o processo de orçamentação de modo a assegurar que os orçamentos de Estado reflictam a vontade da população.

autores: João Silva Jordão ; 12/10/2012 ; secção: Artigos
Data do evento:
12/10/2012

Apresentação pública, seguida de possível debate aberto, de um livro que expõe dados da maior importância para a compreensão do processo da dívida pública.

O livro assume particular interesse para todos os militantes pela anulação da dívida pública portuguesa, uma vez que demonstra factualmente que o Estado social em Portugal é autofinanciado pelos trabalhadores. Ao contrário do que foi afirmado anos a fio pela propaganda neoliberal – visando inculcar nos trabalhadores a culpa do défice do Estado –, prova-se em Quem Paga o Estado Social em Portugal que no nosso país (como de resto em todos os países estudados pelos autores do livro) na maioria dos anos os trabalhadores pagam mais ao Estado em impostos e contribuições do que recebem em serviços sociais.

11/10/2012 ; secção: Eventos
Data do evento:
15/10/2012

11/10/2012 ; secção: Eventos
Data do evento:
16/10/2012

Próxima reunião do CADPP

16 de Outubro, terça-feira, 19:00 horas, na Livraria Lerdevagar, no LxFactory em Alcântara, Lisboa.

11/10/2012 ; secção: Eventos

A primeira parte deste texto apresenta alguns conceitos básicos como a distinção entre o défice e a dívida, para quem não está familiarizado com eles, e uma ideia pessoal de algumas razões que nos conduziram à situação actual.

A segunda parte possui uma demonstração, baseada num modelo matemático simples apresentado em anexo, de como as soluções propostas pelos governantes nunca poderão resolver o problema da dívida durante o nosso tempo de vida.

autores: al.wragg ; 04/10/2012 ; secção: Documentação

Na passada sexta-feira, dia 28 de Setembro, duas propostas de resolução para renegociação da dívida pública portuguesa, apresentadas pelo Partido Comunista Português e pelo Bloco de Esquerda, foram chumbadas na Assembleia da República. PS, PSD e CDS votaram em conjunto no sentido de impedir a renegociação da dívida.

autores: al.wragg ; 29/09/2012 ; secção: Artigos
Data do evento:
25/09/2012

O CADPP recomeça as suas reuniões públicas após a modorra estival!

Temas em cima da mesa: balanço das propostas de acção contra a dívida ao longo de um ano; passos seguintes face à actual situação política; tarefas organizativas e clarificação do papel do site do CADPP.

Local da reunião: Livraria Ler Devagar, na LxFactory, em Alcântara, Lisboa.

Às 19 horas.

24/09/2012 ; secção: Eventos

Mais de um milhão de portugueses rejeitou, nas ruas, a 15 de Setembro de 2012, as políticas da Troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) e as políticas neoliberais do governo de coligação PSD/CDS, desafiando a esquerda a dar-lhes luta sem trégua. Qual irá ser a resposta a este desafio?

autores: Maria da Liberdade ; 18/09/2012 ; secção: Opinião

Doravante, perante a clareza de intenções e ânimos exibida no passado dia 15 de Setembro por mais de um milhão de pessoas nas ruas do país, qualquer acto das organizações políticas e sindicais que não tome esta demonstração em consideração, que se desculpe com a falta de consciência e mobilização dos trabalhadores, que procure apaziguar os ânimos e assinar compromissos, só pode ser visto como um acto de traição.

autores: Rui Viana Pereira ; 16/09/2012 ; secção: Opinião

A questão política de maior importância neste momento de crise profunda continua a ser a dívida pública. Cedendo à chantagem austeritária, os governantes vão arrastando toda a população para a escravatura.
A única solução para esta queda no abismo continua também a ser a mesma: o repúdio da dívida - uma dívida tão ilegítima como seria um «empréstimo» feito à boca do multibanco sob a ameaça duma faca de ponta-e-mola.

autores: João Silva Jordão ; 15/09/2012 ; secção: Opinião
Data do evento:
15/09/2012

MANIFESTAÇÃO

15 Setembro | 17h

QUE SE LIXE A TROIKA!

em Lisboa, Porto, Braga, Funchal, Vila Real de Santo António, Guarda

é preciso fazer qualquer coisa de extraordinário

começando talvez por uma mobilização enérgica e que não deixe margem para dúvidas no dia 15 de Setembro?

consulta a página da convocatória em: http://queselixeatroika15setembro.blogspot.pt

 

09/09/2012 ; secção: Eventos

Vários movimentos sociais gregos lançam um apelo europeu, claramente baseado nos acontecimentos concretos verificados nesse país recentemente: «Cremos ser impossível mobilizar e lutar contra as políticas neoliberais, sem mobilizar e lutar ao mesmo tempo contra a ameaça neonazi e o fascismo. Por isso propomos a inclusão do antifascismo militante nos 4-5 pilares do Processo Altermundialista por uma Outra Europa.»

autores: Rui Viana Pereira ; 08/09/2012 ; secção: Artigos

« Nous croyons que c’est impossible de se mobiliser et se battre contre les politiques néolibérales, sans se mobiliser et se battre en même temps contre la menace néonazie et le fascisme ! Et c’est pourquoi nous proposons d’inclure l’antifascisme militant aux 4-5 pylônes du processus de l’Alter Summit pour une Autre Europe. »

autores: Rui Viana Pereira ; 08/09/2012 ; secção: Artigos

 Comunicado n.º 3/2012

 

  1. A perda de emprego por razões alheias aos afectados assim como a redução nos rendimentos disponíveis, têm estado na origem de inúmeras situações de incumprimento no pagamento de empréstimos hipotecários para compra de casa própria.

autores: CADPP ; 20/07/2012 ; secção: CADPP, Artigos

Na Grécia fizemos muitas manifestações, fizemos imensas greves – mesmo aqueles que não costumavam fazê-las –, reunimo-nos nas praças entre jovens, reformados, desempregados, pequenos comerciantes – mas deixámo-nos gazear com milhares de bombas lacrimogénias e fomos batidos a golpes de matraca - , tentámos auto-organizarmo-nos para podermos comer, para nos curarmos, para nos deslocarmos, negociando directamente com os camponeses, fazendo todo o tipo de trocas e até criando novas moedas. E enfim fomos votar. Ou melhor, tentámos votar. Por duas vezes.

autores: Roxanne Mitralias ; 06/07/2012 ; secção: Opinião

Pages