CADPP

Os responsáveis pelos poderes públicos entraram numa fase discursiva mais clara e radical – a defesa de um «novo paradigma» de Estado. A esta nova fase do poder deveria corresponder uma nova fase de luta dos movimentos sociais – igualmente frontal, igualmente agressiva, igualmente radical.

A chamada «dívida pública» do Estado português é na verdade um conjunto de dívidas privadas que foram «socializadas». Não cabe aos trabalhadores pagar essa dívida – nem directa nem indirectamente. Não faz sentido colocar a questão da «legitimidade» pública duma dívida privada.

 Comunicado n.º 3/2012

 

  1. A perda de emprego por razões alheias aos afectados assim como a redução nos rendimentos disponíveis, têm estado na origem de inúmeras situações de incumprimento no pagamento de empréstimos hipotecários para compra de casa própria.

À medida que as eleições legislativas gregas se aproximam e aumenta a possibilidade de ser eleito um governo de esquerda, é natural que assistamos à intensificação de ataques violentos por parte dos poderes públicos e das organizações de extrema direita. Por isso o CADPP apela desde já à solidariedade com o povo grego.

No dia 17 de Junho, enquanto os Gregos voltam a exprimir a sua vontade soberana nas urnas de voto, estaremos no Rossio de Lisboa para manifestar a nossa convicção de que Portugal e a Grécia estão irmanados no mesmo tipo de problemas. No que diz respeito à política de austeridade e endividamento, entre a Grécia e Portugal não existem diferenças essenciais.

Publicação em português de «A Dívida ou a Vida» em edição cooperativa

A DÍVIDA OU A VIDA

de Damien Millet e Éric Toussaint (dir.)

Prémio do Livro Político 2011 

Este sítio adopta uma folha de estilo que determina a aceitação ou rejeição das contribuições escritas:

Queremos facultar um conjunto de instrumentos formativos e informativos que apoie a acção dos movimentos cívicos; para isso gostaríamos de contar com a colaboração de todos os activistas interessados, ainda que não pertençam ao CADPP.

Todos os problemas sociais podem ser vistos a partir de múltiplas perspectivas. A dívida soberana não é excepção.

No mundo real, certas perspectivas permitem uma boa leitura dos cenários; outras deixam-nos às escuras.

O CADPP adopta uma perspectiva que não só permite olhar com clareza o problema do endividamento nacional, mas também perceber de que forma os movimentos sociais podem agir sobre ele.